Osteoporose: qual o efeito do álcool sobre os ossos?

Muito tem se falado dos benefícios e malefícios da cerveja para a formação óssea. Os estudos sobre o consumo moderado ainda são inconclusivos, mas o excesso de álcool é comprovadamente um fator de risco para o desenvolvimento da Osteoporose.

Considerando a tendência mundial de envelhecimento da população, a Osteoporose se tornou uma das doenças mais preocupantes por limitar a qualidade de vida. Para pessoas que consomem muitas doses de álcool por dia, o risco de desenvolver a osteoporose secundária é ainda maior.

O alcoolismo é considerado uma doença crônica que atinge ao menos 10% da população mundial. No corpo humano, o etanol age como um elemento tóxico que afeta órgãos vitais e também o esqueleto, além de causar desordens psíquicas. Estudos comprovam a relação entre o álcool e a redução da densidade óssea, e isso se deve a diversos fatores.

Qual o efeito do álcool nos ossos?

Equilíbrio

Uma pessoa com altos índices de álcool no sangue, dificilmente terá controle sobre seu próprio equilíbrio, tendo dificuldades até mesmo para andar. Esse efeito contribui para quedas e pode resultar em fraturas, que é o principal agravante da Osteoporose.

Absorção de nutrientes

Segundo o Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH), o excesso de álcool diminui as reservas de cálcio, e interfere na produção de vitamina D, responsável por potencializar a absorção do cálcio pelo intestino.

Formação óssea

Segundo publicado pela FASEB Journal, o tabagismo e o alcoolismo têm impactos semelhantes sobre a saúde dos ossos. Em condições ideais, o processo de reabsorção óssea deveria eliminar a velha estrutura do esqueleto, enquanto a proteína RANK-L é responsável por criar uma nova estrutura. Porém, o álcool pode desequilibrar esse processo, reabsorvendo mais do que repondo, causando fragilidade óssea.

Hormônios

Além disso, NIH observa que o alcoolismo crônico pode causar deficiências hormonais em homens e mulheres. Nos homens, a redução da testosterona afeta a produção de osteoblastos, células que estimulam a formação óssea. Já nas mulheres, o excesso de álcool pode desregularizar os ciclos menstruais, reduzindo os níveis de estrogênio, que influenciam no metabolismo do cálcio.

Cortisol

O NIH ressalta também que o alcoolismo pode elevar os níveis de cortisol, uma substância que também pode causar a Osteoporose quando está em quantidade excessiva no corpo.

A cerveja pode ser benéfica aos ossos?

Alguns estudos indicam que sim, a cerveja pode fazer bem aos ossos se consumida com moderação. Ou seja, a recomendação é não exceder dois copos por dia, pois poderia aumentar o risco de fraturas.

Mas não necessariamente o benefício se deve ao álcool. Cada linha de pesquisa observa um resultado diferente.

Segundo pesquisadores da Universidade da Califórnia, a cerveja é uma fonte importante de silício, um mineral que contribui para melhorar a densidade óssea. Ele pode ser encontrado no grão de cevada e também no lúpulo, e ajudaria no crescimento e desenvolvimento dos ossos.

Já os cientistas da Universidade de Extremadura, na Espanha, acreditam que o benefício também pode estar relacionado aos hormônios de plantas presentes na cerveja, o fitoestrogênio.

Como reverter o quadro de Osteoporose?

Diversas pesquisas apontam que a interrupção do consumo de álcool pode fazer com que o corpo retome a atividade osteoblástica, ou seja, reinicia o processo de formação óssea. Mas só evitar o consumo da bebida não é suficiente.

Tanto para prevenir como para tratar a Osteoporose, é preciso ter uma alimentação saudável e equilibrada, rica em cálcio e vitamina D. A prática de exercícios físicos também é fundamental para o aumento da densidade óssea. O sedentarismo é um grande inimigo e fator de risco para a doença.

Inscreva-se na newsletter

Receba dicas da Osso Forte para cuidar da sua saúde

>>

    Inscreva-se na newsletter

    Receba dicas da Osso Forte para cuidar da sua saúde