O impacto da Osteoporose na saúde psicológica

Quando um paciente sofre com fragilidade óssea, outras limitações podem surgir em consequência da Osteoporose. As mais aparentes são as limitações funcionais, que prejudicam sua mobilidade e independência. Uma pessoa que costumava fazer as tarefas de casa com autonomia, sair na rua e dirigir pode começar a ter dificuldades e precisar de alguém para ajudá-la.

Mas como consequência dessas situações, é comum que também haja impactos psicológicos.

Uma das principais consequências é a redução da qualidade de vida dessa pessoa, sobretudo quando se trata de idosos. Mas em casos mais graves, é possível que o paciente desenvolva também sintomas depressivos que podem, inclusive, interferir no tratamento da Osteoporose.

Entenda qual o impacto psicológico da Osteoporose e como contorná-lo.

Como a Osteoporose afeta a saúde psicológica

A dor crônica, a redução dos níveis de mobilidade e perda de independência por si só já influenciam a expectativa de vida do paciente. Como a Osteoporose está diretamente relacionada à possibilidade de quedas e fraturas, a pessoa tende a ficar tensa e ansiosa, temendo situações que possam levar a alguma lesão e mais ainda à hospitalização.

Tarefas comuns do dia a dia como ir às compras, fazer exercícios físicos ou mesmo arrumar a casa deixam de ser feitas pelo medo. Ou ainda que não haja medo, uma pessoa que está inserida no mercado de trabalho pode sentir a fragilidade óssea intervir na sua capacidade de atuar.

Como consequência dessas limitações de mobilidade, a pessoa pode deixar de sair e se exercitar para se tornar sedentária. Ela poderá ainda se ver incapaz de realizar aquilo que estava acostumada a fazer antes, por mais simples que fosse, e ter sua autoestima reduzida.

Só o fato de não querer mais sair na rua ou por algum sentimento de vergonha da doença, o paciente pode acabar se isolando socialmente. Para os seres humanos, que têm a convivência como uma necessidade natural, isso por si só já impacta muito no psicológico.

Falta de motivação prejudica tratamento

Qualquer doença pode se agravar quando o paciente não entende a importância do tratamento ou recusa os cuidados. Convencê-la se torna ainda mais difícil caso a pessoa não se sinta motivada a se tratar, caso esteja enfrentando um quadro depressivo, por exemplo.

Ao se afastar do convívio social e da rotina que costumava ter, o paciente com Osteoporose pode se sentir sozinho, desamparado e sem confiança. É nesse momento que o apoio de amigos e familiares é fundamental para tentar reverter esses sentimentos. E é justamente o tratamento da Osteoporose o melhor caminho para contornar esses problemas.

Quando a pessoa se trata da Osteoporose e começa a perceber os resultados, a tendência é que ela possa recuperar a motivação e a autoestima. A possibilidade de voltar a fazer as atividades que realizava antes pode gerar um sentimento de superação, de conquista. E isso também é um grande benefício para a saúde psicológica.

Como reverter o problema

Tanto o impacto físico quanto o emocional podem levar ao sedentarismo, desestimular a boa alimentação, a exposição ao sol e o convívio social. Mas são justamente esses pontos que devem ser trabalhados no tratamento da Osteoporose.

Para que o paciente recupere a qualidade de vida, antes de tudo ele precisa entender sua doença e desejar se tratar. Se isso acontecer tão logo a Osteoporose seja diagnosticada, talvez o impacto psicológico seja muito menor.

Inscreva-se na newsletter

Receba dicas da Osso Forte para cuidar da sua saúde

>>

    Inscreva-se na newsletter

    Receba dicas da Osso Forte para cuidar da sua saúde