O que é a osteoporose secundária?

A osteoporose é uma doença que pode atingir todos os ossos do corpo, torna-los fracos, aumentar o risco de quebras e fraturas espontâneas.

Ao contrário da osteoporose pós-menopausa ou senil – que atinge idosos com mais de 70 anos -, a osteoporose secundária pode surgir em decorrência de outras doenças ou pelo uso contínuo de alguns medicamentos. Falta de exercícios físicos, imobilização prolongada e consumo de álcool também são fatores que influenciam.

Segundo o Manual de Orientação Osteoporose (FEBRASGO), dentre as doenças que podem levar a esse tipo de osteoporose estão:

  • Doenças do aparelho digestivo (gastrites, pancreatites, doenças hepáticas, enterocolopatias crônicas, etilismo);
    Cirurgias (gastrectomia, gastroplastia, derivação jejuno-ileal);
    Doenças inflamatórias crônicas (artrite reumatóide, esclerose sistêmica e outros);
    Endocrinopatias (hiperparatireoidismo primário ou secundário, diabetes, síndrome de Cushing, entre outros);
    Doenças hematológicas (mastocitose, anemia crônica, talassemias, leucoses);
    Doenças infecciosas (osteomielites, hanseníase, lues, paracoccioidomicose).

Já a osteoporose induzida por fármacos pode acontecer pelo uso da heparina, anticonvulsivantes, corticóides e outros. Este último, se usado em procedimentos de longa duração, favorecerá a redução da densidade mineral óssea. Isso acontece porque os corticóides inibem a absorção intestinal do cálcio e aumentam a sua eliminação através da urina, diminuindo a formação osteoblástica e aumentando a reabsorção osteoclástica.

A osteoporose secundária em homens e mulheres

Estima-se que a propensão da osteoporose seja mais comum entre as mulheres – seis para cada homem a partir dos 50 anos, ou duas para cada um acima dos 60 anos. No entanto, uma osteoporose secundária é considerada mais frequente em homens, principalmente pelo uso de glicocorticóide, hipogonadismo e alcoolismo.

Segundo a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia  (Febrasgo), situações fisiológicas ou drogas de uso comum e rotineiro também podem contribuir para o enfraquecimento ósseo entre as mulheres. Ação terapêutica de privação hormonal; anticoncepcionais hormonais; gravidez e lactação; anorexia nervosa e amenorréia hipotalâmica são os principais pontos quando se trata de ginecologia.

Como se prevenir

A ingestão de cálcio e vitamina D é muito importante para a fortificação dos ossos. O cálcio está presente em alimentos de origem vegetal como brócolis, espinafre, sementes de linhaça, amêndoas e outros, além de derivados do leite. Já a vitamina D pode ser adquirida sobretudo com a exposição ao sol e em alguns alimentos como leite integral e seus derivados, fígado e peixes de águas profundas, como salmão e atum.

Exercícios físicos que estimulam a formação de massa óssea são importantes, e o ganho de massa e força muscular também é um fator essencial na prevenção das quedas. Evitar ou consumir bebidas alcoólicas e cigarros também é recomendado.

Tratamento apenas sob prescrição médica

Para tratar uma osteoporose secundária é necessário investigar e tratar sua causa. É possível ainda melhorar a alimentação e praticar as atividades físicas de acordo com o quadro clínico, além do uso de medicamentos e suplementos sob prescrição médica.

Inscreva-se na newsletter

Receba dicas da Osso Forte para cuidar da sua saúde

>>

    Inscreva-se na newsletter

    Receba dicas da Osso Forte para cuidar da sua saúde