Os hormônios sexuais e a osteoporose

Como talvez você já saiba, nossos ossos estão em constante transformação desde a fase uterina. A infância e adolescência são os períodos mais importantes da formação óssea, quando precisamos ter uma densidade elevada para que possamos “gastar” ao longo da vida.

Com o tempo, o cálcio dos ossos precisa ser reposto, daí a necessidade de consumirmos esse mineral diariamente, durante toda a vida. Mas quando chegamos à terceira idade, nossos ossos não são mais os mesmos. Eles tendem a ficar mais porosos e frágeis, levando à Osteoporose.

No entanto, são as mulheres o maior grupo de risco para essa doença. E isso se deve à diferença hormonal entre os sexos.

Entenda a relação do estrogênio e da testosterona com a Osteoporose.

Importância do estrogênio e testosterona para absorção do cálcio

Todas as funções que o nosso organismo desempenha são complexas. Há diversos processos envolvidos e muitos elementos microscópicos trabalhando para fazer nosso corpo funcionar. Na formação dos ossos não é diferente.

Há diversos hormônios envolvidos no processo de absorção do cálcio pelos ossos. Um deles é a vitamina D, que produzimos a partir da exposição ao sol ou adquirimos através do consumo de alguns alimentos. Outros hormônios importantes para esse trabalho são o estrogênio (hormônio feminino) e a testosterona (hormônio masculino).

Estes hormônios sexuais são mais conhecidos pelas funções reprodutivas além de proporcionarem ao corpo as características compatíveis com o sexo, como barba, seios e outros. Mas eles também possuem outras funções, como carregar o cálcio para dentro dos ossos. E na falta dessa mão de obra, os ossos podem ficar enfraquecidos.

Ou seja, muitas vezes, quando um paciente é diagnosticado com Osteoporose, o que falta não é o consumo de cálcio na alimentação, mas os hormônios que irão levar esse mineral até seu destino.

Porque os homens têm menos chance de ter osteoporose

A testosterona também está presente nas mulheres, porém a quantidade é muito maior no organismo dos homens. E embora se fale desde a década de 1950 que os homens também sofrem uma espécie de menopausa, chamada andropausa, isso não ocorre da mesma forma.

Ao contrário das mulheres, os homens geralmente não sofrem perda de fertilidade em decorrência desse processo. De fato, com a queda dos níveis de testosterona, a capacidade reprodutiva diminui, pois a produção de espermatozóides é comprometida. Porém isso não impede a reprodução, nem afeta tanto o processo de absorção de cálcio pelos ossos. Pelo menos não até cerca de 70 anos.

No entanto, caso o homem tenha deficiência de testosterona, isso pode sim afetar a densidade óssea. Hábitos como tabagismo e alcoolismo, uso crônico de corticóides e histórico familiar também podem colocar homens no grupo de risco da Osteoporose. Isso pode ser contornado com hábitos saudáveis e o abandono de vícios.

A relação entre menopausa e Osteoporose

as mulheres sofrem com o período de menopausa, levando à perda da fertilidade. Nessa época, enquanto a ovulação e a menstruação cessam, caem também os níveis de estrogênio.

Em um ciclo menstrual comum, o estrogênio seria produzido pelos ovários e liberado na fase inicial, preparando o útero para a gestação. Mas esse processo é interrompido entre os 45 e 55 anos.

Como consequência dessa queda repentina da taxa de hormônio no organismo, o processo de reposição de cálcio nos ossos é prejudicada. E isso é um dos fatores que leva à perda acelerada de massa óssea. Já nos homens isso tende a ocorrer naturalmente mais tarde, na terceira idade.

Por conta desse fator, as mulheres são sim mais suscetíveis à Osteoporose que os homens e correm mais risco de sofrerem quedas e fraturas. Quando é grave, como no caso de fraturar o fêmur, pode haver complicações no quadro clínico.

No entanto, é possível se prevenir contra a doença ou tratá-la, caso tenha sido diagnosticada. Assim como os homens, as mulheres também podem fortalecer a musculatura e os ossos através do exercício físico, aliada à alimentação equilibrada.

Porém, para evitar a Osteoporose, às vezes é necessário apelar para a reposição hormonal sob prescrição médica.

Para entender mais sobre a Osteoporose, acesse nosso guia completo sobre a doença.

Inscreva-se na newsletter

Receba dicas da Osso Forte para cuidar da sua saúde

>>

    Inscreva-se na newsletter

    Receba dicas da Osso Forte para cuidar da sua saúde