Porque os ossos da mulher são mais frágeis na menopausa?

Com o envelhecimento da população, é cada vez mais comum ouvirmos falar da tal da Osteoporose. Esse assunto é muito importante especialmente para as mulheres que se aproximam ou já chegaram na menopausa.

Você sabia que quando a ovulação é interrompida, os seus ossos começam a se tornar mais frágeis? Entenda nesse artigo porque isso acontece e como evitar que a perda de massa óssea se acelere após os 40 anos.

O pico de massa óssea das mulheres

O pico de massa óssea nada mais é do que o valor máximo que atingimos de “reserva óssea” durante toda a vida. Esse ponto é alcançado quando paramos de crescer, o que tende a acontecer mais cedo entre as mulheres.

Isso se deve ao fato de que os hormônios interferem no metabolismo do cálcio e é durante a puberdade que essas substâncias estão mais ativas. No entanto, os homens e as mulheres possuem hormônios sexuais diferentes.

Com o início da menstruação e a ação do estrogênio, a formação das características femininas e o crescimento é acelerado. Esse processo começa em torno dos 11 anos de idade e o pico é atingido por volta dos 15 anos, quando a menina pára de crescer. Já os homens atingem o pico próximo aos 20 anos.

Essa diferença faz com que a reserva óssea das mulheres seja menor que a dos homens, o que as torna suscetíveis ao desenvolvimento da Osteoporose mais cedo. No entanto, este não é o único fator que leva as mulheres a serem parte do grupo de risco da doença.

O que os hormônios sexuais fazem com o cálcio

A atuação dos hormônios sexuais durante a puberdade é um marco para o pico da massa óssea porque essas substâncias têm um papel importante no nosso organismo. Além de proporcionar as características físicas que diferenciam os sexos, elas também são responsáveis por levar o cálcio até os ossos.

Por isso, quando uma pessoa tem deficiência hormonal, seja homem ou mulher, pode haver também uma baixa densidade óssea. Pacientes com hipotireoidismo, diabetes ou meninas que não tiveram a primeira menarca, por exemplo, podem desenvolver fragilidade óssea como uma consequência de deficiência de hormônios.

E ainda que seja um processo natural, esse déficit acontece na vida de todas as mulheres com a chegada da menopausa. É sobre isso que vamos falar a seguir.

O que acontece com a menopausa

Tanto o homem quanto a mulher sofrem com a queda dos hormônios sexuais quando se aproximam dos 40 ou 50 anos. Nos homens, esse processo é chamado de menopausa, no entanto a perda hormonal tende a ser menor e isso não afeta a fertilidade. Com as mulheres, porém, o caso é bem diferente.

Em um ciclo menstrual comum, o estrogênio seria produzido pelos ovários e liberado na fase inicial, preparando o útero para a gestação. Mas esse processo é interrompido com a menopausa.

Quando a ovulação e a menstruação cessam, caem também os níveis de estrogênio. Como consequência dessa queda repentina, o processo de reposição de cálcio nos ossos é prejudicada.

Desta forma, a perda hormonal e o avanço da idade se somam, acelerando a perda de massa óssea e tornando a mulher vulnerável à doença. No entanto, existem diversas formas de se prevenir contra a Osteoporose ou retardar o enfraquecimento dos ossos. Confira a seguir.

Como prevenir a osteoporose feminina

A prevenção, tanto para homens quanto para mulheres, começa na infância. É nessa época que criamos hábitos saudáveis, adotando uma alimentação equilibrada e uma rotina de exercícios físicos que permitem criar uma boa reserva de massa óssea. Mas isso não significa que adotar esses hábitos na vida adulta não faça diferença.

Para evitar o desenvolvimento da Osteoporose é preciso ao menos quatro coisas: ter uma alimentação rica em cálcio e vitamina D, tomar sol 15 minutos por dia, ter uma rotina de atividades físicas e fazer exames preventivos.

A alimentação equilibrada irá garantir os nutrientes necessários para que os ossos permaneçam saudáveis. Conheça as principais fontes de cálcio nesse artigo.

O sol proporcionará a maior parte da vitamina D que o nosso corpo precisa. Esse hormônio é muito importante para potencializar o metabolismo do cálcio no organismo.

Os exercícios, especialmente os contra resistência, irão fortalecer a musculatura e os ossos, além de melhorar o equilíbrio e a flexibilidade. Para isso, você deve primeiro passar por uma avaliação médica e ter o acompanhamento de um educador físico ou fisioterapeuta durante as atividades.

Já o exame de densitometria óssea é indicado para todas as pessoas que fazem parte de algum grupo de risco, sejam mulheres, idosos, pacientes com histórico familiar da doença, dentre outros.

Viu só? Não é tão difícil se cuidar.

Para saber mais sobre a Osteoporose em mulheres, baixe o nosso e-book completo.

Inscreva-se na newsletter

Receba dicas da Osso Forte para cuidar da sua saúde

>>

    Inscreva-se na newsletter

    Receba dicas da Osso Forte para cuidar da sua saúde