Como tratar a Osteoporose durante a pandemia da Covid-19

Conhecida como uma doença silenciosa, a Osteoporose se torna sintomática a partir da primeira fratura. Esse quadro já leva à perda de independência pela limitação da mobilidade, mas quando se trata de idosos, a recuperação também pode se tornar mais lenta. Em caso de fraturas graves no quadril há também sérias chances do paciente vir a óbito.

No entanto, em função do combate ao coronavírus, até mesmo a saúde pública tem tido a necessidade de desviar recursos do tratamento de doenças crônicas para o controle da pandemia. E muitas pessoas têm abandonado o tratamento da Osteoporose como consequência do isolamento social.

Entenda como tratar a Osteoporose sem ferir as medidas de combate à Covid-19.

Dificuldades que a Covid-19 impõe ao tratamento da Osteoporose

Apesar da Osteoporose não agravar quadros de Covid-19, ambas as doenças possuem o mesmo grupo de risco em comum: as pessoas idosas. Geralmente esse grupo também tem propensão a desenvolver outras doenças crônicas além da fragilidade óssea.

Doenças pulmonares, diabetes, hipertensão, insuficiência renal e cardíaca podem tornar essas pessoas ainda mais vulneráveis a complicações caso sejam infectadas pelo novo coronavírus. Por este motivos, os cuidados com as pessoas idosas têm sido redobrados.

Em decorrência disso, é possível que o tratamento da Osteoporose seja comprometido. Essa doença silenciosa necessita de acompanhamento médico a fim de evitar fraturas. No entanto, pela necessidade de isolamento e o medo de contaminação, muitas pessoas deixam de ir às consultas.

As consequências do isolamento social

Esse isolamento também significa que o paciente pode acabar limitando sua rotina de exercícios físicos, abandonando tratamentos de fisioterapia, por exemplo. Ele deixará de caminhar na rua e de se expôr ao sol, adquirindo menos Vitamina D de forma natural.

O isolamento também pode reduzir ainda mais o contato com familiares e amigos. Em conjunto, esses fatores podem levar à perda de autoestima e desenvolvimento de sintomas depressivos.

Por isso, embora seja natural que haja mais cuidado para se evitar a exposição dos idosos, é necessário que o tratamento seja mantido. Isso significa conversar com o médico responsável pelo paciente a fim de pensar as alterações que podem ser feitas.

Como tratar a Osteoporose durante a pandemia

Uma alternativa para dar continuidade ao tratamento à distância é a telemedicina. Por meio do atendimento online, o médico pode acompanhar o paciente, dando orientações, prescrevendo medicamentos e reavaliando periodicamente os exames.

Uma ferramenta online também muito utilizada para avaliar pacientes do mundo todo é a Ferramenta de Avaliação de Risco de Fratura (FRAX). Ela prevê a probabilidade de fraturas no quadril ou outras regiões do corpo com base nos fatores de risco do paciente.

Como não há a possibilidade de sair, é possível que haja uma adaptação da rotina para que a prática de exercícios físicos ocorra dentro de casa. O programa pode proporcionar aumento de força muscular, equilíbrio e postura, colaborando para a redução do risco de quedas.

A alimentação também deve receber atenção, e caso o médico veja necessidade, pode prescrever alguma suplementação. Nesse período, mais do que nunca as pessoas passarão mais tempo em suas casas e esse ambiente precisa ser adaptado a fim de evitar quedas.

Previna-se contra a Covid-19

Além de se cuidar para combater a Osteoporose, é importante que o paciente não deixe de se prevenir contra a Covid-19. Há uma série de medidas de higiene que devem ser tomadas a fim de evitar que a doença se espalhe.

  • Lave suas mãos com frequência. Use sabão e água ou álcool em gel.
  • Mantenha uma distância segura de pessoas que estiverem tossindo ou espirrando.
  • Use máscara quando não for possível manter o distanciamento físico.
  • Não toque nos olhos, no nariz ou na boca.
  • Cubra seu nariz e boca com o braço dobrado ou um lenço ao tossir ou expirar.
  • Fique em casa se você se sentir indisposto.
  • Procure atendimento médico se tiver febre, tosse e dificuldade para respirar.

Lembre-se que o isolamento social só deve ser quebrado em caso de necessidade. Procure na tecnologia alternativas para que o paciente mantenha o contato com as pessoas de que gosta. Todos devem se ajudar nesse momento.

Quer saber mais sobre como cuidar de um paciente com Osteoporose? Confira nosso guia completo para familiares, cuidadores e pacientes.

Inscreva-se na newsletter

Receba dicas da Osso Forte para cuidar da sua saúde

>>

    Inscreva-se na newsletter

    Receba dicas da Osso Forte para cuidar da sua saúde