Reposição hormonal ajuda a combater Osteoporose?

Um dos principais grupos de risco para a Osteoporose são as mulheres. E isso se deve ao fato de que os hormônios sexuais têm uma importante função na absorção do cálcio. São o estrogênio e a testosterona os responsáveis por transportar esse mineral até o esqueleto.

Isso explica a falta que faz o processo menstrual para a saúde dos ossos femininos. Durante o ciclo menstrual, os ovários produzem estrogênio e progesterona, a fim de preparar o útero para uma possível gravidez.

Porém, quando a mulher está próximo dos 50 anos e ocorre a menopausa, os níveis do hormônio caem consideravelmente. Como consequência, os ossos perdem agentes importantes para a sua manutenção e se tornam mais fracos, com risco de sofrer fraturas. E isso pode levar à Osteoporose.

Porém, com a evolução da medicina, os tratamentos e métodos de prevenção para essa doença estão cada vez mais avançados. Uma alternativa é a reposição hormonal. Entenda a seguir.

O que é a Terapia de Reposição Hormonal (TRH)?

Quando a mulher atinge uma idade em torno dos 50 anos, os hormônios estrogênio e progesterona param de agir. Esse período pode ser identificado pela falta de regularidade da menstruação até que o sangramento de fato pare de acontecer.

Nessa fase, é comum que haja falta de libido, cansaço, ondas de calor e suores noturnos. Outros sintomas são irritabilidade, insônia, ansiedade e depressão, por exemplo.

A falta de estrogênio também pode facilitar o desenvolvimento de problemas de saúde, além da Osteoporose. Como é o caso de doenças cardiovasculares e alterações nos níveis de colesterol, dentre outros problemas.

Por isso, o tratamento hormonal pode ser indicado como uma forma de reduzir os sintomas, sem interromper o processo da menopausa. O tratamento pode ser feito com a reposição dos níveis de estrogênio e progesterona, possibilitando a melhora da qualidade de vida da mulher.

TRH ajuda a prevenir e tratar a Osteoporose?

Estudos mostram que a Terapia de Reposição Hormonal (TRH) pode reduzir em cerca de 50% a incidência de fraturas, quando utilizada logo após a menopausa, por cerca de uma década. Além de contribuir para a prevenção da doença, a terapia também ajuda a aumentar a massa óssea a longo prazo, ainda que a Osteoporose já esteja estabelecida.

Uma das opções é a reposição de estrogênio, seja pelas vias oral, transdérmica ou percutânea. Para a preservação da massa óssea, tanto os hormônios sintéticos quanto os naturais podem ser indicados. Estima-se que o tempo necessário de tratamento hormonal para combater a Osteoporose é de cerca de 10 anos.

A TRH pode ser iniciada de forma precoce, logo que se observa a queda dos níveis de estrogênio, porém a terapia não deve ser interrompida antes da hora. Quando isso acontece, corre-se o risco de retomar a acelerada perda de massa óssea.

Toda mulher pode fazer TRH?

No entanto, nem sempre a reposição hormonal é indicada, pois pode haver efeitos colaterais. Em geral, a TRH não é recomendada para pacientes que tenham:

  • ●       Câncer de mama e endométrio ativos;
  • ●       Sangramento uterino de causa não diagnosticada;
  • ●       Doença hepática aguda e severa;
  • ●       Doença tromboembólica aguda;
  • ●       Câncer hormônio dependente.

Por isso, a opção pela terapia depende da avaliação médica. Somente os profissionais especializados, como ginecologistas e cardiologistas, poderão afirmar se essa pode ser uma solução para o seu caso.

Ao optar pela reposição hormonal, a mulher deve seguir as orientações médicas e realizar acompanhamento para observar a eficácia dos resultados no organismo.

Quer saber mais sobre a Osteoporose em mulheres? Baixe o nosso guia completo e saiba como se prevenir da doença.

Inscreva-se na newsletter

Receba dicas da Osso Forte para cuidar da sua saúde

>>

    Inscreva-se na newsletter

    Receba dicas da Osso Forte para cuidar da sua saúde